Rações para cães

E no seguimento do post de ontem sobre o L. ter vomitado, decidi partilhar com vocês os cuidados que tenho com os meus puppys.
A F. e o L. já não são propriamente puppys. A F. já vai fazer 3 anos em Fevereiro e o L. fez em Outubro 2 anos. Mas para mim eles vão ser sempre os meus puppys.

Porém, como já atingiram a idade adulta é um factor que tem influência na hora de escolher a ração. Como já não comem ração para cachorros, posso escolher ração para cães adultos.
Ambos são esterilizados, por isso deviam comer ração própria para o efeito, de forma e evitar que engordem muito, mas nenhum deles gosta por isso escolho rações de manutenção e não rações energéticas (porque têm maior teor de gorduras e são mais apropriadas para cães de treino ou de caça) e tenho que ter atenção ao tamanho dos grânulos,  porque como são ambos de raça pequena, não podem ser muito grandes para as bocas das criaturas.
Infelizmente as marcas, não fazem sacas de 15 kg para cães pequenos, apenas no máximo de 7,5 kg, o que não me compensa porque tenho que alimentar 2 seres. Assim 15 kg, dão-me para cerca de 2 meses.

Sou sincera que não uso apenas uma marca especifica. Tento comparar preços, marcas, promoções, mas acima de tudo estou sempre atenta à composição das mesmas.

O que devemos saber antes de mais nada:

Por norma, os ingredientes de uma ração estão dispostos numa ordem quantitativa decrescente, ou seja, o primeiro ingrediente é aquele que está presente na ração em maior quantidade e por aí adiante. 


Por isso, devemos dar especial atenção aos primeiros 5 ingredientes de uma composição,

onde deve estar incluída a proteína de origem animal (carne de frango ou peixe).


A evitar:
  • Sub-produtos animais: tratam-se de penas, bicos, patas, órgãos etc., menos digeríveis e de menor qualidade que a carne propriamente dita. Evite sempre que possível rações com sub-produtos.
  • Carne vs Farinha de carne: a diferença entre estes dois termos é muito importante, pois a farinha de carne é já desidratada e a sua quantidade na composição é a quantidade real existente na ração. Quando está indicado, por exemplo, 25% de carne de frango em vez de farinha de frango, a percentagem realmente presente no saco é bem menor, pois esta teve que ser desidratada para se transformar em ração seca.
    Se estiver a ler termos em inglês, Meal significa farinha de carne e meat é apenas carne.
  • Cereais: uma ração sem cereais é sempre preferível, pois estes não fazem parte da alimentação natural dos cães e gatos, e são por isso menos digeríveis. No entanto, rações com 0% de cereais são um luxo e, logo, mais caras (exemplo da Orijen). Mas pode encontrar uma excelente ração com cereais incluídos na composição. A questão que deve ter em conta é que tipo de cereais estão presentes e em que quantidade.
    Os menos aconselhados são milho (corn), trigo (wheat), o seu derivado glúten e soja (soy/soybeans).
  • Ingredientes não especificados: sempre que estiver indicado um termo geral tal como carne, gordura animal, cereais etc., sem identificação do animal ou cereal em causa, desconfie!
  • Conservantes químicos (BHA, BHT, ethoxyquin): um pormenor que não deve ser descurado, pois está presente, infelizmente, em muitas marcas de ração do mercado, mesmo nas mais conceituadas, e pode ser perigoso para a saúde dos animais.
    Existem conservantes naturais como o rosmaninho, que não são prejudiciais, mas é mais barato e simples usar os químicos, potencialmente cancerígenos. A evitar absolutamente!
Mais-valias:
  • 0% de cereais: tal como explicado acima, não é obrigatoriamente negativo conter cereais, mas se não tiver nenhum, melhor!
  • Ómega 3 e ómega 6: contêm DHA e EPA que fortalece a saúde da pele e torna o pêlo mais brilhante e saudável.
  • Glucosamina e Condroitina: estes "palavrões" são mais-valias para fortalecer os dentes, ossos e articulações, especialmente importante para raças grandes.
  • Vitaminas e Minerais: uma ração que tenha uma grande variedade de vitaminas e minerais é sempre preferível a uma que tenha poucos. São extras que fazem diferença na escolha de uma ração.
  • Frutas e vegetais: o princípio é o mesmo que em relação ás vitaminas e minerais. As frutas e vegetais nem sempre estão presentes numa ração e são importantes para a saúde do animal. Quantos mais melhor! Quando falamos de vegetais, não estamos a incluir milho ou outro tipo de cereais.
  • Óleo de girassol: trata-se de um óleo muito saudável e benéfico. Encontrá-lo numa ração é bom sinal.
Posto isto, alimento apenas os meus cães de rações e apenas dou uma vez ao dia, isto porque se dividir a dose diária por 2 vezes, na segunda porção eles já não comem nada.
Por isso, considero desnecessário dar outros alimentos ou restos da nossa comida, até porque há alimentos como o chocolate (por exemplo) que pode ser mortal para um cão.

Admito que às vezes, compro uma lata de comida ou faço arroz branco para misturar na ração ou até mesmo frango, mas apenas utilizo estes "miminhos" em ocasiões especiais: como nos aniversários deles ou no Natal! LOL
Pode parecer ridículo, mas é verdade! Gosto de os presentear nestas ocasiões (shame on me).

Claro que existem outras coisas da alimentação humana, que podem dar aos vossos cães, como por exemplo as maça, cenouras, batata doce, pêras, etc...

Espero ter ajudado alguém com esta informação e se tiveram dúvidas sobre o que pode ou não comer os vossos amigos de 4 patas, procurem um veterinário!

Xoxo
Butterfly

Comentários

Mensagens populares